Home > Gerais > Cinco dicas eficazes para incentivar crianças a desenvolverem autonomia desde cedo

Cinco dicas eficazes para incentivar crianças a desenvolverem autonomia desde cedo

Asian happy family, mother spend time with young daughter in kitchen. Loving beautiful parent mom and little sibling cute girl child feel happy enjoy eat apple for health at home. Healthy food concept

Especialistas dão dicas sobre como os pais, com o auxílio dos educadores, devem agir para ajudar no desenvolvimento das crianças

Educar filhos em uma era de tanta informação e mudanças constantes tem sido um desafio para pais que, frequentemente, se sentem perdidos, sem saber qual é o melhor caminho e abordagem a adotar. No que diz respeito à proteção e cuidados diários, essa preocupação por vezes prejudica uma etapa importante do desenvolvimento infantil: a aquisição da independência na infância. Exercitar a autonomia desde cedo é fundamental para o desenvolvimento motor, cognitivo e emocional da criança. Uma criança que é autônoma tem maiores probabilidades de se tornar um adulto confiante e bem-sucedido, pois desde cedo ela desenvolve independência e capacidade de tomar decisões por conta própria.

Segundo a psicóloga educacional do Colégio Positivo, Marina Tissot, é comum nas reuniões escolares observar pais e mães, especialmente aqueles que são pais de primeira viagem, cheios de dúvidas sobre como podem ajudar seus filhos. “Normalmente, os pais se perguntam ‘O que eu posso deixar a criança fazer sozinha?’, ‘Como posso ajudar sem comprometer a iniciativa deles?’ ou ‘Não é arriscado?’. Essas são dúvidas bastante comuns, e nosso papel como educadores é orientar esses pais sobre como seguir esse caminho, proporcionando à criança a oportunidade de explorar e experimentar com uma mediação adequada”, explica Marina.

A psicóloga alerta para o fato de que, diante de uma rotina cada vez mais acelerada das famílias, algumas etapas e oportunidades de experimentação acabam comprometidas. “No momento da refeição, por exemplo, o ideal é permitir que a criança tente comer sozinha, com incentivo dos pais. Esse é o momento em que ela pode experimentar manusear o garfo, espetar a comida e levar o alimento à boca. Tudo isso contribui para um desenvolvimento motor extremamente importante para a criança. Sabemos que, muitas vezes, devido à falta de tempo e à correria comum a todas as famílias, isso não é feito. O mesmo ocorre em outros momentos da rotina da criança, como se vestir ou escovar os dentes”, lamenta a profissional. 

Por isso, o papel da escola em apoiar as famílias é tão crucial. Para a professora de Educação Infantil do Colégio Positivo e mãe de dois meninos, Fabiane Karen Marques, a escola tem a responsabilidade de criar um ambiente seguro e propício para a aprendizagem, com foco na obtenção da autonomia das crianças. “O exercício da autonomia se dá em um contexto em que o processo de ensino e a aprendizagem leva a criança a compreender por si mesma esse aprendizado. A escola deve fornecer um ambiente e materiais adequados para atender às necessidades educacionais e motoras, e o professor deve estar preparado para mediar de forma adequada esse processo, sem interferir desnecessariamente, inibindo ou desperdiçando chances para a criança experimentar, aprender e se desenvolver por conta própria”, destaca Fabiane. 

A educadora reforça que o desenvolvimento da autonomia deve ser priorizado desde a primeira infância. “Nessa fase, que abrange do nascimento aos 6 anos, o cérebro está em pleno desenvolvimento. As experiências, tanto positivas quanto negativas, que a criança vivencia terão repercussões ao longo de toda a vida adulta. Já nascemos com curiosidade e uma vontade de explorar o mundo – mesmo quando somos bebês – e isso não deve ser inibido”, adverte Fabiane. A professora destaca ainda que os pais devem estar atentos a essa janela de oportunidade. “As crianças aprendem com muito mais facilidade que os adultos. Precisamos permitir que, durante a infância, elas aproveitem o momento ideal e oportuno para a aprendizagem e o desenvolvimento. Quando falamos de autonomia, não estamos nos referindo apenas à habilidade motora e à capacidade de executar tarefas sozinhas. A autonomia também abrange saber lidar com frustrações, comunicar-se bem, trabalhar em equipe e ter a coragem de superar limites. E tudo isso deve começar a ser cultivado e desenvolvido desde a primeira infância”, argumenta.

Para ajudar as famílias nesse processo, as profissionais listaram cinco dicas eficazes para incentivar as crianças a desenvolverem a autonomia desde cedo. 

Confiança

É essencial encorajar as crianças a realizarem tarefas e a explorarem situações, permitindo que desenvolvam autoconfiança e autoestima. “É comum que os pais, por instinto de proteção, acabem incutindo medos nos filhos com frases como ‘Não faz isso, é perigoso’ ou então ‘Cuidado, você vai se machucar’. É claro que devemos garantir a segurança delas, mas isso não pode impedir que a criança seja estimulada a experimentar situações que possam contribuir para seu desenvolvimento”, reforça Marina.

Respeito

Os adultos devem demonstrar que consideram e respeitam as  escolhas e ações das crianças. Para isso, é preciso ouvi-las. “Os pais devem observar atentamente e escutar seus filhos. A criança sempre dará sinais, demonstrará de alguma forma que está pronta para tentar e realizar. Além disso, diga ao seu filho ‘Você pode escolher entre banana ou maçã. Qual você prefere?’. Dar a chance de escolher vai fazer com que a criança se sinta considerada e respeitada”, sugere Marina.

Independência

Para que uma criança se torne independente, os pais não devem fazer por ela aquilo que ela é capaz de fazer sozinha. “Os pais, hoje em dia, muitas vezes fazem o que podem pelos filhos e, com isso, acabam educando os filhos apenas para receberem e não para realizarem. É necessário criar oportunidades de crescimento para eles. A criança e, mais tarde, o adulto, não se tornará independente se sempre houver alguém por perto fazendo tudo por ela”, alerta Fabiane.

Colaboração

Geralmente, os pais costumam dizer aos filhos o que precisa ser feito ou até mesmo tomar decisões por eles. O ideal é envolver a criança, de modo que ela se sinta parte do que está acontecendo ou sendo decidido. Isso fará com que a criança assuma uma postura colaborativa, dando a ela a oportunidade de exercer o poder de escolha ou sentir-se útil. “Compartilhar com eles a responsabilidade por uma tarefa ou decisão ajuda muito na construção da autoestima das crianças. Elas se sentem capazes, e isso faz toda a diferença”, afirma Marina.

Gentileza

Como estão em processo de aprendizagem e frequentemente estão realizando tarefas pela primeira vez, é normal que as crianças cometam erros ou provoquem pequenos incidentes ao tentar fazer algo por si mesmas. Nessas situações, é muito importante que o adulto seja gentil ao corrigir ou resolver o problema. Demonstrar irritação ou brigar com a criança inibe a vontade de tentar novamente. “Precisamos ter muito cuidado com as críticas. A criança precisa entender que errar faz parte do processo, e ela deve ser apoiada nesse momento para que continue disposta a tentar novamente”, finaliza Fabiane.

Marina Tissot e Fabiane Karen Marques são convidadas do 15.º episódio da temporada “Conexões”, do Posicast, um podcast produzido pelos colégios do Grupo Positivo. O  tema deste episódio é Autonomia na primeira infância: como, quando e por quê? Todos os episódios estão disponíveis no YouTube do colégio (https://www.youtube.com/@colegiopositivo).