Home > Gerais > Dia das crianças: 5 dicas de presentes para o desenvolvimento motor e cognitivo no brincar

Dia das crianças: 5 dicas de presentes para o desenvolvimento motor e cognitivo no brincar

Fisoterapeuta apresenta opções de brinquedos para aproveitar a data com muita diversão, e incentivar a evolução motora e cognitiva no primeiro ano de vida

Escolher os presentes certos para o Dia das Crianças é sempre um desafio para os pais, avós e tios, principalmente, pela diversidade de opções. Para facilitar essa decisão, a especialista em fisioterapia neuropediátrica, Ana Luiza Soares, preparou uma lista com 5 brinquedos, que vão ser excelentes parceiros no desenvolvimento cognitivo e motor dos pequenos.

Tapete de atividades – 0 a 3 meses
Além de super divertidos, os tapetes de atividades ajudam a criar estímulos sensoriais táticos, auditivos e visuais para os bebês. O ideal é que a escolha seja sempre por aqueles que tenham figuras ou cores de alto contraste, como preto, branco e vermelho, principalmente, por conta da visão dos bebês de 0 a 3 meses, que é mais desfocada. Ainda, segundo a fisioterapeuta, os modelos que possuem os arcos devem ser muito bem explorados para criar estímulos de movimento e fortalecimento da cabeça, pescoço, pernas e braços. Não basta deixar o pequeno olhando apenas para o alto, é preciso incentivar a posição lateral e o chamado tummy time, de bruços, com objetos como atrativos para interação.

Meias e pulseiras chocalhos – 0 a 5 meses
Embora essa opção possa não parecer tão atrativa, na idade certa irá chamar a atenção e contribuirá bastante com o desenvolvimento. Coloridas e com guizos, as meias e pulseiras com os barulhinhos feitos pelo chocalho, estimulam a coordenação olho/mão e a gesticulação motora dos bebês. Desta forma, a brincadeira fará com que eles usem os braços para buscar o pezinho e , treinará o movimento ‘canoinha’ que desenvolve a lateralização dos pequenos.

Kit Sensorial – 0 a 12 meses
Esse provavelmente é um dos favoritos da fisioterapeuta, pois vai acompanhar o desenvolvimento do bebe até pelo menos um ano de idade. Com diferentes objetos como mordedores, bolas, argolas, bastões, fitas e chocalhos, o kit ajuda nas fases intuitiva (0 a 3 meses), em que eles seguram os objetos de forma automática sem noção do tato; a analítica (2 a 6 meses) em que eles começam a explorar as texturas e os movimentos de uma mão para outra; a intencional (4 a 12 meses) em que os movimentos passam a ser direcionados aos objetos, e ajudam muito no desenvolvimento de se arrastar e engatinhar; e a de escolha (5 a 12 meses), em que o bebê seleciona o objeto de acordo com o movimento que precisa fazer, seja engatinhar, se arrastar, girar, etc.

Brinquedos com movimentos – 06 a 12 meses
Um dos exemplos são os bastões, o famoso “pau de chuva”, em que as bolinhas vão para um lado e para o outro, ou dos triângulos de atividades que oferecem um peso diferente e diversas faces para manusear. Essas são opções super interessantes, pois além do incentivo auditivo, há também o visual e motor. Os bebês adoram passar o brinquedo de uma mão para a outra e explorar os atrativos.

Mesa criativa 5 a 12 meses
Esta é uma opção que traz muitos benefícios para os bebês, já que eles conseguem brincar e explorar o mesmo brinquedo em várias fases diferentes. Trabalham o raciocínio lógico, a agilidade, além da coordenação motora. Primeiro eles começam com movimentos mais grosseiros da mão até chegarem ao movimento da pinça, por volta dos 8 ou 9 meses de vida. Alongam os músculos dos braços ao mesmo tempo que fortalecem seus apoios para sentar e buscar mexer em tudo. Depois a mesa serve como um banquinho que eles empurram e usam como apoio tanto em pé quanto ajoelhados na posição de gatinho. Fortalecendo a musculatura do abdômen e bumbum, bem como a estabilidade do corpo.

Sobre: Ana Luiza Soares é fisioterapeuta, especialista em assimetria craniana, órtese craniana, torcicolo congênito, fisioterapia respiratória neonatal e pediátrica. Pós Graduada em Fisioterapia Neuropediátrica com 17 anos em UTINeonatal e 6 anos em Ambulatório de seguimento dos bebês de risco. Atualmente trabalha com intervenção precoce em bebês de zero a 24 meses de vida.