Home > Gerais > Enchentes: animais domésticos também transmitem leptospirose

Enchentes: animais domésticos também transmitem leptospirose

A doença é causada pela bactéria Leptospira spp, presente na urina de animais, sobretudo ratos, mas os cães também podem transmiti-la aos seres humanos

Os efeitos do El Niño, que causaram temporais na região Sul do país durante o inverno, deixando várias cidades embaixo d’água, permanecem na primavera. Com isso, a previsão é de chuvas acima da média durante o mês de novembro. De acordo com o Inmet (Instituto Nacional de Meteorologia), no Sul os volumes de chuva devem ficar acima de 160 mm e com temporais que mais uma vez trazem o risco de alagamentos e outros transtornos. O cenário reforça a preocupação com a leptospirose. A doença é causada pela bactéria Leptospira spp, presente na urina de animais, sobretudo ratos, e o perigo envolve também os animais de estimação, especialmente os cães.

O alerta é do médico-veterinário Harald Fernando Vicente de Brito, professor de doenças infecciosas da pós-graduação da Faculdade Qualittas. “O cuidado que temos para evitar que os tutores tenham contato com água contaminada deve se estender aos pets. Os cães também contraem a leptospirose e podem se tornar transmissores”, explica. A leptospirose é uma doença de caráter zoonótico, portanto é transmitida dos animais para os seres humanos e, apesar de não entrarem nas estatísticas, os animais de companhia podem ser afetados pela doença e ainda transmiti-la. “Um animal doente pode eliminar a bactéria pela urina por até seis meses depois de curado”, explica o veterinário.

A principal recomendação é evitar que o animal tenha contato com a água de enchentes, especialmente beber ou brincar na água suja.  A contaminação acontece pela pele, por meio de lesões, pelas mucosas ou na pele sem ferimentos exposta por longos períodos em água contaminada. Além disso, o especialista cita que é necessário cuidar para que ratos não acessem o local de alimentação e nem as vasilhas de comida. Brito lembra que existem vacinas contra a doença, mas que os imunizantes protegem contra quatro variantes, sendo que existem mais de 20 cepas que podem acometer os cães.

Principais sintomas

Nos pets, os principais sintomas da leptospirose são febre alta, vômito, diarreia, gengiva e olhos amarelados, urina de cor escura, perda de peso e apetite. “O tutor precisa ficar atento aos sintomas e procurar ajuda profissional o quanto antes, já que a letalidade no cão é bastante alta”, destaca. No ser humano, os sintomas são parecidos, sendo frequente as dores musculares, principalmente na panturrilha, nas costas e na nuca. Diante de animais com suspeita da doença, algumas ações são necessárias para prevenção. A recomendação é manipular o animal sempre com luvas, evitar contato com a urina e caso o contato seja inevitável o ideal é lavar as mãos imadiatamente com água e sabão. 

Sobre a Faculdade Qualittas

A Faculdade Qualittas está presente em 16 estados, mais o Distrito Federal, e conta com um corpo docente altamente qualificado, composto por especialistas, em sua maioria mestres e doutores na área da Medicina Veterinária, que atuam nos núcleos e nos polos EAD em mais de 35 municípios. Fundada em 2002, como instituto, alçou o porte de faculdade em 2018, passando a oferecer cursos de graduação e pós-graduação modular, personalizado, interdisciplinar e alinhado às tecnologias educacionais.