Home > Gerais > Mais de 30 mil pessoas serão diagnosticadas por ano com câncer de pulmão no Brasil

Mais de 30 mil pessoas serão diagnosticadas por ano com câncer de pulmão no Brasil

De acordo com o Instituto Nacional do Câncer (INCA), estimativas para o próximo triênio não são nada animadoras. Dr Fernando Zamprogno, oncologista, explica mais sobre a doença

Agosto está chegando ao fim, mas as lições deixadas pela campanha “Agosto Branco” devem ser lembradas todos os dias. O mês traz um alerta para um dos cânceres mais incidentes na população: o câncer de pulmão. Segundo dados do Instituto Nacional de Câncer (INCA), estima-se que mais de 30 mil pessoas serão diagnosticadas com câncer de pulmão no Brasil para cada ano do triênio 2023-2025. O oncologista Fernando Zamprogno, da Rede Meridional/Kora Saúde explica que o câncer de pulmão é o que mais mata no mundo e que esse dado revela o tamanho do desafio na busca do diagnóstico precoce e da prevenção. 

Confira a seguir entrevista completa com o médico, que fala sobre as principais causas do câncer de pulmão, como é feito o diagnóstico e quais os tratamentos hoje disponíveis para esse tipo de enfermidade.

O que é o câncer de pulmão?

Câncer de Pulmão é uma neoplasia maligna, ou seja, uma proliferação de células que se acumulam de modo indevido e por um período indeterminado e que acabam adquirindo a capacidade de invadir tecidos ao redor, dentro do pulmão e de gerar metástase pelo corpo. 

Quais são os principais causadores ou fatores de risco do câncer de pulmão?

Nesse processo de formação do câncer, o maior fator de risco é o tabagismo. Ele é o responsável por cerca de 70 a 75% dos casos de câncer de pulmão, mas outras causas também podem influenciar, como por exemplo o gás radônio, presente em alguns granitos, sendo osegundo maior causador do câncer de pulmão e a poluição atmosférica. Porém, existem alguns subtipos de câncer de pulmão que não tem relação com isso, casos mais raros. 

Quais os sintomas?

Essa é uma neoplasia que, em geral, não causa sintomas iniciais, porque ela nasce no meio do parênquima pulmonar, um local que não provoca dor. Com o aumento do tamanho da lesão, podem surgir sintomas, como compressão de brônquio, causando tosse e falta de ar, pode também invadir a pleura, causando falta de ar e cansaço. Ele pode, também, eventualmente causar sangramentos, que são eliminados pela pessoa por meio da tosse, por exemplo. 

Como é feito o diagnóstico?

O diagnóstico é feito por biópsia, que pode ser cirúrgica ou minimamente invasiva. Os exames, que dão apoio e ajudam na suspeita da doença são Raio-X e Tomografia, sendo a tomografia mais sensível, detectando a doença mais no início. Por isso, todo fumante, principalmente os que já fumam há mais de 20 anos, precisam fazer uma tomografia por ano, para buscar nódulos suspeitos. Isso ajuda a salvar vidas!

Quais as chances de cura?

A cura do câncer de pulmão depende do diagnóstico precoce e de uma boa operação. Além disso, as trocas e conversas entre cirurgiões e oncologistas ajudam no tratamento e na chance de cura. Todos que estejam passando por uma situação de suspeita de câncer de pulmão precisam de uma avaliação global. 

O câncer de pulmão é o que mais mata no mundo e isso mostra o tamanho do desafio: Fazer diagnóstico precoce e trabalhar na prevenção. Prevenção, na concepção da palavra, é evitar que algo aconteça e eu preciso, então, não me expor ao risco patente. E, como comentei, o maior risco é o cigarro. 

É preciso combater o tabagismo de forma mais agressiva. Aceitar que o indivíduo fume por escolha, mesmo que isso possa gerar uma séria de doenças, não é o caminho. O caminho é combater o tabagismo!

Quais os tratamentos?

Para falar sobre tratamento, é inevitável citar a cirurgia. Cirurgia é o grande esteio do tratamento, é por onde começamos a ganhar da doença. Fazemos uma avaliação cirúrgica, para retirar a lesão e muitas vezes os linfonodos, quando estão acometidos pela doença. 

Para além da cirurgia, temos também indicação de quimioterapia, para alguns indivíduos, uso de uma droga oral, para outros, e imunoterapia. Isso para o pós  cirurgia, é o que chamamos de adjuvante. Os indivíduos que não podem se submeter à cirurgia, por estarem com a doença mais avançada, não o fazem porque os resultados alcançados com a quimioterapia com radioterapia, seguido de imunoterapia são mais efetivos do que a cirurgia. A que se pesar que as doenças mais avançadas são menos curáveis, infelizmente. Por fim, há o grupo em que, infelizmente, a doença está avançada, metastática, em que o tratamento é de controle, onde a cura não é possível, mas é possível controlar a doença por um tempo longo. 

O câncer de pulmão pode dar metástase para o próprio pulmão, para a pleura, para o mediastino, para o fígado, para o cérebro e para os ossos. O cérebro, infelizmente, é um dos grandes pontos de metástase e o prognóstico piora, infelizmente, com lesão cerebral. Mas há todo um esforço de tratamento, com cirurgia e demais terapias, tudo com o objetivo de tentar controlar ao máximo.