Home > Gerais > Mitos e verdades sobre os efeitos das proteínas vegetais no organismo da mulher

Mitos e verdades sobre os efeitos das proteínas vegetais no organismo da mulher

Especialista da NotCo destaca que alimentos plant-based proteicos podem ajudar o público feminino no equilíbrio hormonal, a evitar doenças, dentre outros fatores

Os produtos proteicos vegetais vêm ganhando cada vez mais espaço no mercado; um grande exemplo disso é o sucesso do NotMilk High Protein, bebida 100% plant-based da NotCo, foodtech global e principal referência de alimentos à base de plantas, que traz 15g de proteínas. Porém, ainda há muitos mitos e verdades em relação aos efeitos desses macronutrientes no organismo feminino.

Por isso, a Líder da Equipe de Ciências Biológicas da empresa, Ana Batista, resolveu desmistificar algumas questões sobre o assunto que ainda causam muitas dúvidas. Confira:

  • Musculação e prática de exercícios físicos

Um dos principais mitos em relação ao consumo feminino de proteínas vegetais é o risco de uma deficiência do macronutriente, o que atingiria, principalmente, as praticantes de musculação e exercícios físicos. A verdade é que uma dieta à base de plantas bem planejada, com muitos alimentos vegetais e proteicos diferentes, pode garantir às mulheres uma rotina alimentar excelente e completa.

“A variedade de fontes proteicas plant-based ajuda a mulher que realiza atividades físicas no seu dia a dia, seja uma atleta ou não”, diz Batista. “Além disso, a proteína vegetal normalmente tem menos gorduras saturadas, menor ingestão calórica e mais fibras e metabólitos benéficos (como os antioxidantes) do que a animal”, completa.

  • Níveis de energia e resistência

Outra dúvida sobre as proteínas vegetais é se elas realmente trazem um impacto positivo na energia e resistência das mulheres. A Líder da Equipe de Ciências Biológicas da foodtech ressalta que isso é uma verdade, desde que os macronutrientes de origem plant-based façam parte de uma dieta equilibrada e saudável: 

“Os alimentos à base de plantas são ricos em hidratos de carbono complexos, conhecidos por serem fontes sustentadas de energia. Já no que se refere à resistência, o fato de possuírem moléculas anti-inflamatórias e menos gorduras saturadas é fundamental, porque evitam inflamações em geral e reforçam a saúde cardiovascular”, afirma.

  • Diferença no consumo de mulheres jovens e mais velhas

Mais uma verdade é que, em geral, as mulheres mais velhas têm uma maior necessidade de ingestão proteica do que as jovens, o que está relacionado à manutenção da massa muscular, cuja perda é associada à idade. Por esse motivo, Batista explica que é recomendada uma maior atenção à quantidade e qualidade das proteínas: 

“O público feminino mais velho pode se dar satisfeito ao ingerir leguminosas, cereais, frutos secos e sementes. Por outro lado, ambos os grupos podem ter necessidades diferentes em termos de nutrientes, que precisam ser acompanhadas por especialistas de acordo com o seu estado hormonal”, pontua.

  • Uso por grávidas e lactantes

Um dos maiores mitos relacionados ao tema também é a não recomendação de dietas à base de plantas para mulheres grávidas e lactantes. A especialista da NotCo ressalta que estes grupos podem consumir proteínas vegetais, mas devem ter certos cuidados por possuírem necessidades especiais.

“Micronutrientes como o ferro e o cálcio são imprescindíveis para gestantes, porque apoiam no crescimento dos seus bebés e a produção de leite. O mesmo raciocínio se aplica ao Ômega 3 e a Vitamina B12. Por essas razões, a consulta médica e nutricional é indispensável para qualquer mulher que esteja nessas condições e queira seguir um plano alimentar plant-based”, reforça.

  • Ação sobre a menopausa precoce 

Alguns estudos associam o consumo elevado de proteínas vegetais a uma menor incidência de menopausa precoce. Já outros mostraram que não existe essa correlação.

Batista conclui que os vários resultados dessas pesquisas indicam que elas devem ser tomadas com precaução. “Não devemos tirar conclusões precipitadas; sabemos, por exemplo, que as isoflavonas, presentes em alguns produtos de soja, podem aliviar os sintomas da menopausa. Então, em resumo, o que podemos concluir é que um bom plano alimentar vegetal terá impacto na saúde geral das mulheres e, por consequência, há a possibilidade de impactar processos como a menopausa”, finaliza.

Sobre a NotCo

Empresa de tecnologia de alimentos plant-based com crescimento mais rápido na América Latina, a NotCo, unicórnio global, tem como propósito liderar a revolução alimentícia no mundo. A foodtech utiliza tecnologia proprietária de inteligência artificial, para mapear a estrutura molecular de alimentos com proteína animal e construir receitas originais 100% à base de plantas, que garantam a mesma experiência em sabor e textura dos pratos prediletos dos brasileiros, promovendo o consumo que minimiza o impacto ambiental sendo responsável com o ecossistema.

A NotCo é criadora dos produtos referência no mercado à base de plantas, como NotMilkTM, NotCremeTM, NotBurgerTM, NotChickenTM, NotMeatTM e NotMayoTM. No Brasil possui mais de 2 mil pontos de venda. A marca atua em 12 países:  Brasil, Argentina, Chile, México, Estados Unidos, Canadá, Peru, Paraguai, Equador, Colômbia, Austrália e Bolívia.