Homem estupra a filha, e esposa o perdoa por ser "testemunha de Jeová"

Um homem condenado a 24 anos de prisão por estuprar repetidamente a própria filha em Mogi Guaçu, interior de São Paulo, foi perdoado pela esposa pela religião. De acordo com informações do portal Metrópoles, a mãe da vítima teria concedido o perdão ao marido por ser “testemunha de Jeová”, crença baseada na interpretação literal da Bíblia que acredita que o ato de perdoar leva as pessoas à salvação.


A versão foi dada pela tia materna da criança, em depoimento à polícia, e consta em acórdão do Tribunal de Justiça de São Paulo (TJSP), que negou, em setembro do ano passado, absolver o réu.


A vítima morava junto com o pai em Mogi Guaçu e teria sido abusada sexualmente pela primeira vez quando tinha apenas 6 anos.

Segundo a garota, o pai a acariciava de forma estranha, manipulava os órgãos genitais e a lambia, até mesmo de madrugada. Geralmente os abusos ocorriam quando os dois ficavam sozinhos na casa.


A menina relatou que após os crimes passou a ter depressão e crise do pânico, além de ter dificuldade em se relacionar com homens e frequentar locais públicos.

Em seu depoimento, a mãe da vítima afirmou que nunca soube de nada. A mulher alegou também que o homem “sempre tratou bem os filhos, sendo carinhoso com todos ao seu redor, e nunca apresentando comportamentos suspeitos”.


Procurado, o Ministério Público de São Paulo (MPSP) não respondeu se a mãe da criança é investiga por omissão, uma vez que o caso está em sigilo.


O homem foi preso e, em seguida, condenado a 24 anos de prisão.


Click Notícias

Fonte: Revista Metropolitana.



83 visualizações0 comentário