Home > Gerais > Quatro hábitos diários que melhoram as dores nas costas

Quatro hábitos diários que melhoram as dores nas costas

Por Dr. Carlos Barsotti

Muitos pacientes deixam para cuidar de suas colunas apenas quando começam a sentir dores ou desconfortos frequentemente. Apesar da lombalgia ser uma queixa presente em grande parte da população mundial, existem certos hábitos diários que podem evitar este problema de saúde e impedir que evolua para casos mais graves – os quais precisam ser adotados o quanto antes para garantir uma boa qualidade de vida a todos.

De acordo com dados da Organização Mundial da Saúde (OMS), cerca de 80% da população mundial sofre com dor nas costas rotineiramente. Com a popularização do home-office e o desconhecimento de comportamentos prejudiciais à coluna, um outro estudo publicado na revista Lancet Rheumatology alertou que, com base nos apontamentos do relatório Carga Global de Doenças 2021, o mundo terá 843 milhões de pessoas afetadas por essa condição até 2050.

De crianças à idosos, a lombalgia é um diagnóstico que afeta pessoas de todas as idades, e que pode desencadear muitos outros problemas à saúde quando não cuidada antecipadamente. Por isso, veja a seguir quatro hábitos que, quando prezados diariamente, podem evitar o agravamento destas dores:

#1 Faça exercícios frequentemente: manter atividades físicas frequentemente é um fator extremamente importante para a saúde de todos. Existem muitos treinos voltados ao fortalecimento da coluna que precisam se tornar um hábito na rotina das pessoas, o pilates, como exemplo, costuma ser muito prescrito para pacientes que já demonstram esses sintomas de desconforto, uma vez que possui alta capacidade de contribuir para que a lombalgia tenda a diminuir gradativamente. Mas, ainda tem muitas outras opções de exercícios excelentes para a piora dessas dores, desde que sejam realizados frequentemente.

#2 Cuidado ao carregar pesos em excesso: de acordo com a Sociedade Brasileira de Ortopedia e Traumatologia (Sbot), não devemos carregar pesos superiores a 10% do nosso peso corporal, uma vez que este excesso é fortemente prejudicial à má postura. Para aqueles que costumam andar com mochilas nas costas ou outros itens semelhantes, o recomendado é utilizar sempre as duas alças de forma equilibrada nos ombros, para evitar que a pessoa ande de forma mais curva, encurte os músculos do peito e enfraqueça as costas.

#3 Se atente à postura durante o trabalho: seja na sede da empresa, trabalhando de casa ou nos momentos de conforto, a má postura ao ficarmos sentados durante muitas horas faz com que a pressão na coluna seja muito maior do que quando estão em pé, o que influencia na maior sobrecarga no disco intervertebral ao estarmos nas cadeiras. Por isso, é extremamente importante se atentar a esse posicionamento, utilizando, como auxílio, cadeiras com encosto adequado e que permita o posicionamento das pernas à 90º em relação à coluna, sempre com os pés apoiados no chão. Ainda, busque levantar e se esticar periodicamente, evitando permanecer na mesma posição por muito tempo.

#4 Tenha uma melhor posição ao dormir: não se posicionar corretamente de forma confortável ao dormir é um forte perigo para a piora destas dores. A própria Sociedade Brasileira de Coluna (SBC), inclusive, recomenda que dormir de lado é a posição que menos gera pressão sobre a coluna vertebral. Para ajudar ainda mais, é importante que esteja em uma posição alta o suficiente para alinhar a lombar, coluna e pescoço, além de utilizar outro posicionado entre as pernas como um apoio extra.

Quem se depara com dores na coluna compreende o quanto esse desconforto pode prejudicar a qualidade de vida e desencadear outros problemas para a saúde. Por isso, seguir esses cuidados não é algo opcional, mas hábitos fundamentais para evitar que esses sintomas venham a ocorrer e, acima de tudo, que piorem e os impeçam de realizar diversas atividades do seu dia a dia.

Sobre o Dr. Carlos Eduardo Barsotti:

Dr. Carlos Eduardo Barsotti é cirurgião ortopedista formado pela Faculdade de Medicina da USP, Mestre em Ciências da Saúde e Pós-graduado pela Harvard Medical School. Com mais de 19 anos de experiência na área, é um dos poucos profissionais do país a realizar intervenções de alta complexidade, principalmente na correção de escoliose.