Home > Gerais > Regulação hormonal: A acne na pele de mulheres maduras

Regulação hormonal: A acne na pele de mulheres maduras

Além do período menstrual, outras causas podem ser responsáveis pelo surgimento de espinhas e até cistos em peles maduras. Saiba as causas e como evitá-las.

O que pode ser mais desagradável do que o surgimento de uma espinha gigante no rosto, ainda mais na fase adulta?  É comum associar a acne a adolescência e juventude. Porém, essa é uma condição que pode acometer homens e mulheres na fase adulta devido as alterações hormonais naturais do organismo e as causadas pelo mau uso de algumas substâncias, reposições hormonais sem indicação médica, hábitos alimentares e principalmente desequilíbrios emocionais.

De acordo com a médica dermatologista, Paula Sian, além do período menstrual que passa por ciclos de liberação de estrogênio, progesterona e testosterona, que aumentam a oleosidade da pele e consequentemente o surgimento de espinhas, existem três grandes vilões que devem ser evitados, exceto quando há indicação médica. São eles:

Contraceptivos orais a base de progesterona: alguns são usados no pós-parto, para que a mulher continue a amamentar, sem o risco de engravidar. São sérios candidatos a piorar a acne e a oleosidade da pele. Sempre sugiro o uso da camisinha, já que o pós-parto é um período em que a mulher já está passando por uma regulação hormonal no organismo;

DIUs hormonais: eles têm progesterona na base. Por que? Para evitar que a mulher engravide, menstrue, e até para tratamento de endometriose. Mas, têm o efeito colateral de piorar muito a qualidade da pele das mulheres. Opte pelo de cobre, livre de hormônios;

Terapias de reposição hormonal: A reposição hormonal deve ser indicada por médicos, e em caso de necessidade. Ou seja, insônia, perda de memória, osteoporose, fraturas ósseas. Tratar baixa libido, cansaço ou desenvolvimento com hormônio pode ser extremamente perigoso. Cuidado com imediatismos! As contraindicações vão além de inflamações e cistos sebáceos. “A  reposição hormonal nunca pode ser feita apenas com estrogênio. Por que? Porque se ele for usado isoladamente, ou seja, uma terapia só feita com estrogênio, corre-se o risco de câncer de mama e ovários” – alerta a médica.

A medica ressalta que efeitos colaterais podem acontecer mesmo com indicações médicas precisas. Por isso, a importância de procurar um profissional especializado que posso cuidar regular e controlar os sintomas.

Além destes fatores, existem alimentos altamente inflamatórios que podem contribuir muito com o surgimento e devem ser consumidos em poucas quantidades ou até mesmo evitados, por exemplo: açúcar refinado, leite e derivados e farinha branca. Frituras em excesso, alimentos ultra processados e congelados possuem uma alta concentração de gordura e conservantes que prejudicam a saúde do organismo e influência em um aspecto ruim da pele.

Por fim, a medica que também é especializada em medicina chinesa explica que existem formas diferentes de analisar se há desequilíbrio no corpo, um deles é incluir a medicina chinesa durante o diagnóstico e tratamento. “O consumo dos alimentos podem desequilibrar o corpo e causar inflamação, trocas na dieta e uso de fitoterápicos ajudam a melhorar” – explica. Outro fator que deve ser levado em conta são as emoções fora de controle, que inflamam o corpo, desiquilibram os hormônios, e refletem diretamente na pele. “A acne é uma manifestação bastante comum desse estresse e do desequilíbrio do corpo. A medicina chinesa consegue avaliar qual emoção afeta qual órgão, e possibilita tratar, de forma natural, com acupuntura ou fitoterápicos. Ou seja, além de melhorar a pele, melhora o estado geral de saúde e psíquico do paciente” – finaliza.

Tudo é equilíbrio e deve ter acompanhamento de profissionais especializados para aproveitar o melhor da vida.

Sobre Paula Sian

Dermatologista desde 2007, Paula Sian Lopes é formada pela Faculdade de Medicina de Botucatu (UNESP), onde também fez residência em Clínica Médica e Dermatologia. Especializou-se em Farmacodermia e Dermatoses Imunoambientais na Universidade Federal de São Paulo (UNIFESP) e em Medicina Chinesa e Acupuntura na Associação Médica Brasileira de Acupuntura (AMBA).

Desde 2011, Paula atende em seu consultório próprio com o viés em Dermatologia clínica, estética e cirúrgica, tanto para adultos como crianças. Além disso, a especialista realizou serviços voluntários no ambulatório de alergias da UNIFESP, de 2013 a 2017.

CRM: 111963-SP RQE Nº: 38348