Home > Gerais > Saúde Mental não é fast-food: Imediatismo atrapalha o tratamento de transtornos psicológicos

Saúde Mental não é fast-food: Imediatismo atrapalha o tratamento de transtornos psicológicos

Dementia and parkinson’s disease, ADHD, composition for head disease theme

O psicólogo Claudio Melo, da Holiste Psiquiatria, explica que independente do diagnóstico, o tratamento é a parte mais complexa e importante para reconquistar o bem-estar

Conforme a Organização Pan-Americana da Saúde (OPAS/OMS), mais de 300 milhões de pessoas, de todas as idades, sofrem com a depressão. No entanto, isso não significa que todas apresentem os mesmos sintomas ou que devam seguir o mesmo tratamento. Para o psicólogo Cláudio Melo, especialista da Holiste Psiquiatria, é muito importante ter em mente que o diagnóstico de um transtorno mental é apenas o primeiro passo de um processo muito mais complexo e singular para cada paciente.

Um transtorno não se reduz ao diagnóstico, este é apenas uma ferramenta para orientar o tratamento. Contudo, vivemos numa sociedade em que as pessoas buscam se identificar com uma imagem, um ideal. E com certeza isso vai influenciar no tratamento, porque não é algo de você tomar uma medicação aqui ou fazer um procedimento psicoterápico ali e pronto, resolvido, é um processo demorado, complexo”, explica o psicólogo.

Para o especialista, ainda é importante se atentar para a cobrança que a sociedade faz para que as pessoas apareçam sempre felizes e bem-dispostas, como se fosse possível chegar e escolher uma personalidade na prateleira do supermercado. Para Claudio Melo, o que preocupa nesse processo de identificação é que as pessoas ficam presas a esses rótulos e, de alguma forma, entendem que o tratamento deveria aproximá-las desse ideal e não de si mesmas.

“No geral, isso tudo é uma grande fuga para não nos confrontarmos com nós mesmos. O grande perigo que há nisso para pessoas que realmente têm um transtorno mental, é banalizar o processo de adoecimento psíquico. Diferente de olhar para uma imagem ideal e ir buscá-la, pelo contrário, no acompanhamento terapêutico é necessário compreender o que verdadeiramente há do sujeito, o contexto das relações familiares envolvidas, as relações sociais e a história”, complementa Melo.

É claro que hoje é possível cuidar de sintomas mais graves e oferecer uma melhora na qualidade de vida do paciente de maneira efetiva, mas o psicólogo destaca que isso não significa que existe uma solução mágica, o tratamento leva tempo, mas sempre vale a pena. Para mais informações sobre saúde mental, acesse o site da Holiste Psiquiatria:  https://holiste.com.br/

Sobre a Holiste   

A Holiste é uma clínica de excelência em saúde mental, criada há 20 anos pelo médico psiquiatra, Dr. Luiz Fernando Pedroso, sediada em Salvador, Bahia, com atendimento nacional. Na sede principal, localizada em Salvador, funcionam os serviços ambulatorial e de internamento psiquiátrico. A estrutura da clínica conta, ainda, com o Hospital Dia (destinado à ressocialização do paciente) e com a Residência Terapêutica (moradia assistida para pacientes crônicos), dispondo sempre de estrutura e tecnologia de ponta.

A instituição conta com mais de 200 profissionais, um corpo clínico composto por médicos psiquiatras, psicólogos, terapeutas ocupacionais, enfermeiros, técnicos de enfermagem, fisioterapeutas, nutricionista, gastrônoma, dentre outros, com vasta experiência em tratamento de transtornos relativos à saúde mental. Para conhecer mais sobre os serviços da Holiste, acesse o site www.holiste.com.br.